Teste – Toyota Yaris GRMN – Preparado para a diversão?

O preparador oficinal da Toyota marca a sua estreia no Velho Continente com o lançamento do Yaris GRMN, a versão mais radical jamais produzida do utilitário japonês. Nesta edição limitada a 400 unidades, calhou-nos em sorte a número 43. Cartão-de-visita: motor 1.8 do Lotus Elise, 212 CV e um som abafado que nos inebria os sentidos. Um verdadeiro “pocket rocket”.
GRMN é o acrónimo de Gazoo Racing Masters of Nurburgring, e é a sigla que pontifica no portão da mala e nos guarda-lamas dianteiros deste Yaris especial. Depois há a sigla GR nos bancos, no botão que desperta o motor 1.8 e no painel de instrumentos quando ligamos o carro.
O Yaris mais desportivo de todos foi produzido a partir de uma receita que fala de diversão, pois tem caraterísticas técnicas únicas no segmento. O motor 1.8 2ZR-FE, o tal do Lotus Elise, recorre a um compressor para oferecer ao “piloto” o comportamento mais atmosférico possível. E não é que o consegue! Até às 5.500 rpm, o motor sobe de regime com rapidez, sempre bem acompanhado pelo ronco encorpado proveniente do escape. Depois das 5.500 rpm, a chegada ao “corte”, que acontece nas 7.000 rpm, surge de forma fulgurante.
Diversão garantida

Mas as alterações introduzidas pela equipa Gazoo Racing no pequeno utilitário vão muito para além do seu motor. Foram feitas várias melhorias no chassis para suportar o substancial aumento das prestações, mas sobretudo para oferecer um comportamento onde a diversão é o mais importante. Suspensões específicas SACHS Performance, barras estabilizadoras mais grossas, altura rebaixada 24 mm, sistema de travagem potenciado e assinado pela Advics, caixa de velocidades reforçada, inclusão de um diferencial Torsen, linha de escape e admissão específicas, e a cereja no topo do bolo, um compressor Magnuson Eaton. Um cocktail completo que ajuda a domar com relativa facilidade cada um dos seus 212 CV, permite alcançar 230 km/h (limitada eletronicamente) e cumprir os 0 aos 100 km/h em 6,4 segundos. Para alcançar estes números, o peso de 1.135 kg é um detalhe chave, até porque consegue uma relação peso/potência de 5,35 kg/CV, a melhor entre os pequenos desportivos do mercado.

Imagem distinta
Depois há toda a parte de imagem que a Toyota trabalhou para este Yaris. É discreto, até certo ponto, mas não deixa de ter pormenores a preto na carroçaria, um aileron que ajuda a manter a traseira no chão, uma saída de escape trapezoidal, autocolantes pretos e vermelhos, iguais aos que a marca japonesa utiliza no Yaris WRC (são um opcional sem custos), e jantes pretas de 17 polegadas da BBS, que estão envolvidas por uns pneus Bridgestone Potenza RE050 com medida 205/45.
Aos comandos, os amortecedores da Sachs trazem com eles um controlo de movimentos, uma precisão e uma progressividade de reações que autorizam todas as liberdades na exploração (e extrapolação) dos limites de estabilidade e aderência do chassis, permitindo “atirar” com o Yaris GRMN para dentro das curvas a velocidades que desafiam o instinto de sobrevivência. Imperfeições do piso não são problema e a subviragem é tão progressiva e controlada que se pode usar para o ajuste final entre a velocidade de entrada e a tax de direção desejada, até porque, a tração extra conferida pelo autoblocante permite utilizar o acelerador para obrigar o Yaris a fechar a linha. Isto ajuda a colocar a potência no chão muito cedo e gerir o equilíbrio e a atitude apenas com o acelerador. A velocidade de saída obtida nas curvas médias e rápidas é digna de nota. Decididamente, este GRMN merece nota máxima em prazer de condução e eficácia.
As únicas críticas vão para a travagem e para a posição de condução. Os travões (com maxilas Advics de quatro pistões pintadas de branco) são potentes, mas o tato e a consistência em utilização intensiva ficam abaixo do desejado, ainda assim, enquanto não se cansam, são potentes o suficiente para garantir travagens rápidas e imobilizações imediatas; e a falta de amplitude de regulações do volante deixa-o sempre demasiado longe do “piloto”.
Para o fim fica guardado o pior de tudo: o preço. A exclusividade paga-se e este Yaris é único, não só pelo facto de haver apenas 400 unidades para a Europa, mas também por aquilo que oferece. O valor a pagar por cada um destes brinquedos é de 39.425 euros. Se os tiver para cometer uma “loucura”, merece cada cêntimo.
Texto Ricardo Carvalho
Fotos Paulo Calisto
Conclusão
Se quer ter um pequeno desportivo exclusivo, e reforçamos a palavra exclusivo (só há 400 para a Europa) este Yaris GRMN é o carro a ter. Custa praticamente 40 mil euros, mas o “feeling” mecânico e atmosférico que a Toyota consegue colocar na condução é de uma realidade atroz. Tudo à medida de um carro de rali: a forma como curva, o som que emite, o desempenho do motor em regimes mais elevados, a direção… Um WRC para a estrada, desenvolvido com paixão.
FICHA TÉCNICA
TOYOTA YARIS GRMN
TIPO DE MOTOR Gasolina, 4 cilindros em linha, compressor
CILINDRADA 1.798 cm3
POTÊNCIA 212 CV às 6.800 rpm
BINÁRIO MÁXIMO 250 Nm às 4.800 rpm
V. MÁXIMA 230 km/h
ACELERAÇÃO 6,4 s (0 a 100 km/h)
CONSUMO 7,5 l/100 km (misto)
EMISSÕES CO2 170 g/km
DIMENSÕES (C/L/A)3.945 / 1.695 / 1.510 mm
PNEUS 205/45 R17
PESO 1.135 kg
BAGAGEIRA 286 l
PREÇO 39.425 €
I.CIRCULAÇÃO (IUC) 235,59 €
LANÇAMENTO Fevereiro de 2018
Anterior Nissan cria roulote/tenda que utiliza baterias do Leaf
Próximo Audi revela primeiros esboços de um segundo SUV 100% elétrico

Artigos relacionados

Skoda inspira-se nos ursos do Alasca para designação Kodiaq

Kodiaq: assim se chamará o novo SUV de grandes dimensões que a Skoda irá apresentar no final deste ano, colocando assim um ponto final nas dúvidas relativas ao nome desse

Ford Atribui Certificação “Master” a 6 Novos Profissionais da Sua Rede

São 6 os profissionais da Rede de Concessionários da Ford Lusitana que, desde a mais recente formação do denominado “Programa Masters”, passaram a contar com a inerente Certificação “Master”, obrigatoriedade que é transversal a todas as instalações dos seus representantes.

Maserati mostra o Levante mais desportivo

O Salão de nova Iorque serviu de palco à apresentação da versão Trofeo do Maserati Levante.