Teste – Mitsubishi Outlander PHEV – Mais do que um híbrido

O renovado Outlander PHEV, um dos híbridos plug-in mais experientes do mercado, foi alvo de melhorias que, não só, reforçam as suas qualidades e capacidades, como o tornam uma verdadeira solução face aos receios (ainda) existentes em tornos dos automóveis elétricos.
Há muitas formas de prevenir a contaminação e poluição nas grandes cidades. Por exemplo, deixar o carro em casa, caminhar, andar de bicicleta ou utilizar os transportes públicos. Infelizmente, e por vários motivos, nem todos nos encontramos em situação de renunciar à utilização do nosso carro. Para piorar a situação, o Diesel está na mira das autoridades e da opinião pública, e os carros elétricos, os “salvadores”, ainda não estão em condições de assegurar autonomias razoáveis para viagens mais longas.
Solução (quase) comprovada
Então o que fazer? Pois bem, há soluções possíveis ao alcance e de eficácia comprovada. Um dos exemplos mais paradigmáticos é o novo Mitsubishi Outlander PHEV 2019, um SUV que junta a mobilidade mais sustentável, graças aos seus motores elétricos (um por eixo), com a autonomia necessária para viajar, obtida a partir do seu motor a gasolina, a habitabilidade, a facilidade de condução, um nível de requinte assinalável e boas prestações da cadeia cinemática.
Porém, e antes de mais, é preciso dizer que esta proposta da marca dos três diamantes não é barata: a versão Instyle, a mais equipada, tem um custo de 53.000 euros. Um montante “perigoso” na medida em que coloca o Outllander PHEV num patamar de preço onde pontificam alguns pesos-pesados do nosso mercado, com outra imagem de marca, mesmo tendo em conta o facto de não contarem com a valência do motor elétrico e de algumas isenções de impostos e/ou benefícios fiscais, no caso das empresas. O futuro o dirá… Até lá, fique a saber que a Mitsubishi propõe uma campanha promocional de abate e crédito que permite baixar o preço final para os 44.785 € (36.410 € s/ IVA).
Mais eficiente
Regressemos ao Outlander PHEV MY2019. Para se manter na senda do sucesso, a marca nipónica realizou uma exaustiva atualização ao modelo. Novos para-choques, grelha e uma eficaz iluminação Full LED, jantes em liga leve de 18” e um aileron traseiro mais desportivo. O resultado? Um carro mais moderno, mas, ainda assim, com linhas pouco consensuais.
De igual forma, no interior encontramos instrumentação redesenhada, comandos reorganizados mais ao gosto dos clientes do Velho Continente e bancos em pele que melhoram o conforto e o aspeto de uma qualidade que continua a viver de plásticos maioritariamente rijos, embora sem lacunas na montagem.
Continuando lá dentro, nota muito positiva para a generosa habitabilidade (cinco verdadeiros lugares com espaço em altura e para as pernas), que surge acompanhada por uma capacidade da bagageira que pode chegar aos 719 litros na configuração de cinco lugares.
O novo PHEV substituiu o anterior propulsor a gasolina 2.0 com ciclo de funcionamento Otto por um mais moderno, eficiente e ágil 2.4 de ciclo Atkinson. Uma mudança importante, facilmente percetível ao volante, principalmente em termos de insonorização e na capacidade de resposta às solicitações do acelerador.
De igual modo, o rendimento e a capacidade da bateria foram também revistos. Assim, a unidade térmica passa de 121 para 135 CV. A tração às rodas posteriores é agora assegurada por um motor de 95 CV, em vez de 82 CV, enquanto as baterias (instaladas sob o piso) que alimentam esta unidade sofreram um boost na capacidade para 13,8 kWh, no lugar dos anteriores 12 kWh, permitindo incrementar a autonomia em modo totalmente elétrico. A potência conjunta atinge os 230 CV que se sentem desde o primeiro minuto.
Autonomia elétrica
Fruto de todas estas mexidas, as prestações do novo Outlander PHEV subiram ligeiramente, no entanto, a principal novidade em termos de utilização reside no aumento da autonomia em modo elétrico para os 54 quilómetros. É verdade que na prática é preciso alguma (muita) contenção no pé direito para alcançar este registo, contudo, e ao contrário dos modelos unicamente elétricos, aqui contamos sempre com a ajuda do motor a gasolina para compensar os excessos.
A condução é suave e agradável: é automático e o rolar elétrico acontece sem vibrações e sem ruído. A transição para o modo híbrido é progressiva (não se percebe a ação do motor a gasolina, apenas o aumento de velocidade) e a tração permanente elétrica às quatro rodas S-AWC acaba por ser uma mais-valia tanto ao nível da segurança como nas possíveis aventuras fora de estradas. Com uma suspensão mais direcionada para o conforto, o SUV nipónico revela competência na leitura da estrada, não evitando, porém, alguma tendência para adornar em curva quando abusamos do acelerador.
E para carregar?
Recarregá-lo é fácil: basta uma tomada caseira. Além disso, pode-se também fazer inclusivamente em andamento, segundo o modo de condução escolhido, e caso a bateria se esgote, funciona como um híbrido convencional, com auto recarga e regeneração na travagem. Em caso de necessidade, o “Modo CHARGE” permite carregar as baterias a partir do motor a gasolina, apesar de penalizar o consumo. O carregamento numa tomada 230V 10A demora até 5,5 horas, mas com um carregador rápido garante 80% em 25 minutos.
Texto Karam el Shenawy
Fotos Paulo Calisto
CONCLUSÃO
Face ao ceticismo (leia-se limitações de autonomia) que ainda existe em torno dos modelos totalmente elétricos, os plug-in acabam por ser a solução mais racional. E neste particular o novo Outlander PHEV surge como um dos mais avançados e interessantes. Agradável de utilizar, espaçoso e muito bem equipado, o representante da Mitsubishi só peca pelo preço e por uma estética pouco apelativa.
MITSUBISHI OUTLANDER PHEV INSTYLE
TIPO DE MOTOR Gasolina, 4 cilindros em linha, 16 válvulas
CILINDRADA 2.360 cm3
POTÊNCIA 135 CV às 6.000 rpm
BINÁRIO MÁXIMO 211 Nm às 4.500 rpm
MOTOR ELÉTRICO DIANTEIRO
POTÊNCIA 82 CV
BINÁRIO MOTOR 137 Nm
MOTOR ELÉTRICO TRASEIRO
POTÊNCIA 95 CV
BINÁRIO MOTOR 195 Nm
BATERIA IÕES DE LÍTIO 88 células/300V/13.8 kWh
VELOCIDADE MÁXIMA170 km/h
ACELERAÇÃO10,5 s (0 a 100 km/h)
CONSUMO2,0 l/100 km (misto)
EMISSÕES CO246 g/km
PESO1.880 kg
DIMENSÕES (C/L/A) 4.695 / 1.800 / 1.710 mm
PNEUS 225/55 R18
BAGAGEIRA 453-719  l
PREÇO 53.000 €
GAMA DESDE 49.000 €
I.CIRCULAÇÃO (IUC) –
LANÇAMENTO Setembro de 2018
Anterior Iveco atualiza Daily com novidades estéticas e mecânicas
Próximo Volkswagen junta nova versão beats à gama Polo

Artigos relacionados

Chama-se Wraith Eagle VII e é uma nova série especial da Rolls-Royce

Para celebrar os 100 anos do primeiro vôo transatlântico realizado por John Alcock e Arthur Brown, a Rolls-Royce lançou uma edição especial Wraith Eagle VIII.

Jaguar lança nova carrinha XF Sportbrake

A Jaguar apresentou a nova carrinha XF Sportbrake para o segmento Premium, combinando design atraente, dinâmica de condução aprimorada e tecnologias avançadas

Mazda dá início à produção do novo CX-5

A Mazda deu início à produção do novo CX-5 na fábrica de Ujina nº2, nas imediações da sua sede em Hiroxima.