• Teste Hyundai Tucson 1.7 CRDI Executive: Embaixador europeu
  • Teste Hyundai Tucson 1.7 CRDI Executive: Embaixador europeu
  • Teste Hyundai Tucson 1.7 CRDI Executive: Embaixador europeu

Teste Hyundai Tucson 1.7 CRDI Executive: Embaixador europeu

Mais do que um novo modelo, o Tucson tem a missão de servir de embaixador da marca coreana para o Velho Continente. Aqui na versão mais comercializável assente no único motor Diesel da gama, o 1.7 CRDI.

A história recente da Hyundai na Europa traduz-se numa espécie de conquista de espaço e de consolidação da imagem da própria marca. Um processo moroso, longe de ser fácil, mas que ao poucos tem vindo a dar os seus frutos, principalmente graças à excelente prestação da gama i40, verdadeiro porta-estandarte de toda esta estratégia.

Hoje, pode-se dizer que os modelos do construtor coreano são vistos com outros olhos, resultado de uma evolução muito positiva tanto em termos de qualidade como de estilo. Nesse sentido, o melhor exemplo desta ofensiva é o protagonista do nosso teste, o novo Tucson. Apelidado como o embaixador da Hyundai para o Velho Continente, cabe ao substituto do ix35 indicar o caminho que a marca quer delinear para o futuro.

Para este trabalho elegemos a versão turbodiesel 1.7 CRDi munida do nível de equipamento intermédio Executive que, segundo o importador, será a responsável pela maior fatia de vendas no nosso país.

À imagem da Europa

Concebido segundo os gostos dos clientes europeus, o Tucson representa um substancial incremento em todos os sentidos, face ao antecessor. A carroçaria de 4,47 metros de comprimento é maior 6,5 centímetros que a do ix35, o que se reflete num habitáculo também mais generoso e, sobretudo, bem mais cuidado. Desde a escolha dos materiais aos acabamentos é evidente um tratamento mais cuidado, mesmo tendo em atenção que a zona superior do tablier é composta por plásticos duros, algo a rever numa próxima geração. De igual forma, a posição de condução sobrelevada, associada às várias regulações do banco e do volante, oferece boa visibilidade e todos os comandos estão à mão de semear.

Seguindo esta tendência positiva, a habitabilidade recebe cinco adultos com algum à-vontade, sendo de realçar, atrás, a possibilidade de regulação dos encostos dos bancos e o espaço para as pernas. Na prática, falta apenas o ajuste longitudinal dos mesmos, é pena… Como compensação, a capacidade da bagageira de 513 litros, quando equipado com kit de reparação (488 litros com pneu de substituição), assume-se como uma das maiores da categoria, sendo complementada por vários pequenos espaços de arrumação espalhados no interior.

Chega e sobra

Para dar alma à única versão Diesel disponível, a marca coreana elegeu o motor 1.7 CRDI. Tendo como princípio o sistema de injeção direta common rail e um turbocompressor de geometria variável, este surge acoplado a uma caixa manual de seis velocidades que aproveita na medida certa a energia dos 115 CV e do binário de 280 Nm, constante entre as 1.250 e as 2.750 rpm, que dá um importante contributo em termos de recuperações nos regimes intermédios e, consequentemente, na agradabilidade de utilização.

Assim, as subidas no conta-rotações são feitas de forma convincente (atenção que também não é um foguete) e consegue manter velocidades estáveis sem ser necessário estar sempre a recorrer à alavanca da caixa de velocidades. A ajudar, e desde que a condução seja minimamente descontraída, não é difícil manter o ponteiro dos consumos na casa dos seis litros por cada 100 quilómetros; onde conta com o sistema de paragem e arranque automáticos do motor Stop & Go Integrado.

Ainda no capítulo dos motores, é de referir que a gama conta ainda com versão 1.7 CRDI de 141 CV munida da nova caixa automática de dupla embraiagem DCT.

Prioridade ao conforto

Mas se no motor a situação já era mais ou menos conhecida, no que concerne à dinâmica de condução o caso muda ligeiramente de figura. Munido de tração dianteira e jantes de liga leve de 17 polegadas (de série no nível de equipamento Executive), o SUV da Hyundai destaca-se, sobretudo, pela notável sensação de comodidade. Um aspeto a que não alheio a boa insonorização do habitáculo e estruturas de suspensões (tipo McPherson à frente e multibraços atrás) revistas e pensadas em prol do máximo conforto. Uma opção que é acompanhada por um comportamento equilibrado, onde a sensação de segurança é uma constante, mas que não evita algumas oscilações da carroçaria em curva quando a velocidades mais elevadas.

O Hyundai Tucson 1.7 CRDI Executive é proposto com o preço de venda ao público de 34.947 euros, um montante que o coloca um pouco acima dos principais concorrentes. Contudo, o importador nacional está a levar a efeito uma campanha promocional que permite baixar o valor final para os 33.490 € (preço de campanha sem financiamento) ou os 31.240 € (preço de campanha com financiamento). Para além disso, e juntamente com a garantia geral de 5 anos sem limite de quilómetros e 5 anos de assistência em viagem, a marca oferece, ainda, a manutenção programada durante o mesmo período ou 100 mil quilómetros.

CONCLUSÃO

O novo Hyundai Tucson revela uma evolução substancial em relação ao ix35. Desde o design mais trabalhado ao incremento das cotas de habitabilidade, passando pela qualidade e conforto tudo é diferente… para melhor. O preço com campanha torna-o bastante apetecível.

Texto Miguel Rodrigues

Fotos Paulo Calisto

FICHA TÉCNICA

HYUNDAI TUCSON 1.7 CRDI EXECUTIVE

TIPO DE MOTOR                    Diesel, 4 cilindros em linha, turbo

CLINDRADA                            1.685 cm3

POTÊNCIA                              115 CV às 4.000 rpm

BINÁRIO MÁXIMO                280 Nm entre as 1.250 e as 2.750 rpm

VELOCIDADE MÁXIMA       176 km/h

ACELERAÇÃO                         13,7 S (0-10 km/h)

CONSUMO                             4,6 l/100 km (misto)

EMISSÕES CO2                       119 g/km

DIMENSÕES (C/L/A)               4.475 / 1.850 / 1.650 mm

PNEUS                                    225/60 R17

PESO                                       1.500 kg

BAGAGEIRA                            513 l

PREÇO                                    33.490 €

LANÇAMENTO                    Janeiro de 2016

 

Anterior Volkswagen Arteon: Classicismo desportivo
Próximo Novo Alpine A120 terá mais variantes

Artigos relacionados

Nissan Design Europe assinala 15 anos de sucesso com as suas 15 criações mais significativas

Edifício emblemático no centro de Londres abriu portas há 15 anos, a 25 de janeiro de 2003.

Linhas finais do novo Mercedes-Benz E Coupé quase reveladas

A Mercedes-Benz vai lançar no próximo ano o seu novo membro da família Classe E, assomando agora o formato de carroçaria que mais desportividade trará, o Coupé.

Subaru celebra 50 anos de motor Boxer

A Subaru está a comemorar o 50º aniversário do seu motor Boxer de cilindros opostos, naquele que já é um motor icónico para a marca japonesa. O primeiro motor deste