‘Caraoke’: Cantar ao volante faz bem à saúde

‘Caraoke’: Cantar ao volante faz bem à saúde

Fazer o seu trajeto diário ao som das suas músicas favoritas é uma das formas de sobreviver nas grandes cidades, sobretudo quando se enfrentam engarrafamentos e atrasos na viagem. Mas há mesmo razões concretas para reconhecer a importância da música e de cantar a plenos pulmões dentro do carro.

De acordo com os especialistas, há uma série de benefícios para a saúde com as sessões de karaoke improvisadas ao volante, especialmente aquelas nas quais nos sentimos verdadeiramente confortáveis quando não há ninguém à volta e o sistema de som do carro fornece o apoio.

Neste sentido, a Ford destaca o desenvolvimento do novo sistema áudio B&O Play Sound Sysytem para o novo Fiesta, ao longo do qual foram ouvidas mais de 5.000 faixas para se assegurarem que a tecnologia ‘premium’ de 675 watts tinha a melhor sonoridade quer se tratasse de Adele, Foo Fighters ou Jay-Z – ou música clássica para relaxar –, independentemente do volume de som estar baixo ou alto.

“Para muitas pessoas, ouvir a música de que gostam em movimento é uma parte fundamental de cada viagem – é a banda sonora do seu próprio ‘road movie’”, disse Jan Schroll, supervisor de Multimédia e Conectividade da Ford Europa.

Um estudo do serviço de ‘streaming’ de música Spotify revela que é durante as viagens a solo, no nosso próprio espaço privado, que localizamos as listas de reprodução secretas, colocamos a música a tocar e cantamos ‘alto e a bom som’. Para muitos de nós, existem listas de reprodução que só nos atrevemos a usar no carro, um lugar especialmente intenso para ouvir música onde o som é projectado preenchendo perfeitamente o espaço que ocupamos.

“Cantando em voz alta e sem quaisquer inibições, significa que a libertação mental será maior à medida que colocamos mais energia“, disse o professor Stephen Clift, uma autoridade de referência sobre os benefícios do canto para a saúde, da Universidade Canterbury Christ Church, no Reino Unido. “Quando cantamos em voz alta, especialmente canções que conhecemos bem, sentimos um “factor de bem-estar” decorrente da respiração mais profunda, mais lenta, e aumento da actividade muscular. Sentimo-nos menos stressados e mais relaxados.”

Nos testes, a equipa também ouviu gravações ao vivo icónicas para garantir que a energia e emoção seriam ouvidas como se estivessem lá, e até gravaram as suas próprias faixas para garantir que todo o espectro de som havia sido coberto.

Anterior Lewis Hamilton leva a melhor em duelo com Vettel
Próximo Tiago Monteiro com mais um fim de semana muito positivo no WTCC

Artigos relacionados

McLaren MCL32: De regresso à luta pelos triunfos?

Após dois anos de resultados medíocres no regresso dos motores Honda à Fórmula 1, a McLaren aposta na recuperação em 2017, estreando uma nova era com o MCL32.

Mercedes-Benz GLC Coupé desvendado por fim

Após tantas informações e detalhes já revelados anteriormente, a Mercedes-Benz levantou o véu finalmente sobre o novo GLC Coupé, uma aposta mais dinâmica para concorrer com o Range Rover Evoque

Ferrari FF: Um “novo mundo” para descobrir a 15 de fevereiro

A Ferrari vai apresentar o renovado FF no próximo dia 15 de fevereiro. O modelo de Maranello que estreou o sistema de tração integral da marca quando foi lançado em