Vídeo | O dia-a-dia dos robots autónomos: mais de 1.600 km e 23.800 peças

Vídeo | O dia-a-dia dos robots autónomos: mais de 1.600 km e 23.800 peças

Acende-se uma luz azul às 5 da manhã no armazém de motores. É um dos 125 robots que inicia a sua rota numa das áreas de montagem da fábrica da SEAT em Martorell, realizando até 2.800 viagens por dia. É assim que funcionam os veículos de navegação livre.

– 125 robots e 7.000 operários: Através do código de barras identificam a peça certa e, a seguir, um sensor abre a porta do armazém para que iniciem o seu trajeto. Assim arranca a rotina de alguns dos 125 AGV, que se cruzam entre si e com mais de 7.000 operários no que se assemelha a um bailado perfeitamente sincronizado. Os robots autónomos transportam motores, caixas de velocidades, amortecedores ou até vidros de janelas, podendo levar até 1.500 kg de peso.

– Uma viagem à lua com semáforos e peões: Ao longo do ano percorrem mais de 436.000 km, uma distância superior à que seria necessário percorrer numa viagem entre a Terra e a Lua. No seu trajeto são capazes de parar perante um semáforo vermelho ou de abrandar se um trabalhador se cruzar no seu caminho graças a uma visão periférica de 360º. A coordenação com os peões e a segurança destes é assegurada com luzes laser de scan, que também avisam da sua presença.

– Assim se circula na ‘Galáxia Robot’: As guias magnéticas, embutidas no piso, marcam as 40 rotas programadas para os AGV na fábrica de Martorell. Cada uma demora 1 a 7 minutos a percorrer. Durante esse tempo, os robots circulam reduzindo automaticamente a velocidade nas curvas, para não perderem estabilidade com a carga, e são capazes de guardar a devida distância de segurança. No futuro, estas guias deixarão de existir dando lugar à navegação com GPS.

– Controlo remoto: Cinco empregados configuram e, se necessário, modificam à distância as rotas de todos os AGV a partir da sala de controlo. Um servidor central reúne a informação do software existente no interior de cada robot, identificando-o com um número e mostrando nos ecrãs da sala de controlo a sua posição exata. Uma luz verde indica que está em pleno rendimento; e se essa luz passar a amarelo, significa que parou perante um obstáculo ou que está a carregar as baterias. O sistema também permite avaliar e reparar possíveis avarias no imediato.

– Partilha de inteligência na Indústria 4.0: A chamada 4ª revolução industrial permite aos trabalhadores controlarem os processos de forma a otimizarem a tomada de decisões, deixando para estes robots colaborativos as tarefas mais físicas e rotineiras. A SEAT, como empresa referencial na digitalização e automação do setor, também aplica outras medidas como a integração de software e de hardware na produção e logística.

Anterior Mercedes-Benz Nº1 no segmento premium a nível mundial
Próximo Volvo Cars reforça estatuto de líder no mercado sueco

Artigos relacionados

Novo BMW M5 está cheio de ‘Need for Speed’…

Um descuido por parte da Electronic Arts deixou ver as linhas finais do novo BMW M5, modelo que já conhecemos ainda em modo quase completo.

Peugeot atualiza 2008 para o Salão de Genebra

Lançado no mercado em 2013, o Peugeot 2008 traduziu-se num grande sucesso para a marca francesa, sendo atualmente um dos SUV compactos mais bem-sucedidos do mercado europeu. Agora, a pretexto

O ‘azarado’ Chris Amon faleceu aos 73 anos

Ficou conhecido na Fórmula 1 como o piloto mais azarado de todos os tempos. O neo-zelandês Chris Amon esteve muitas vezes perto de vencer corridas, mas os mais variados motivos