Fórum Nissan da Mobilidade Inteligente debateu futuro da gestão da energia, da mobilidade e dos veículos elétricos

Especialistas nacionais e internacionais na área da mobilidade debateram nesta semana as principais tendências que estão a inspirar o presente e o futuro da mobilidade a forma como esta vai impactar a gestão da energia elétrica. O debate teve lugar no 2º Fórum Nissan para a Mobilidade Inteligente, que decorreu no dia 7 de fevereiro, na Cidade do Futebol, em Oeiras.

O Ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, salientou na sessão de abertura que Portugal ainda está “em condições de ser um dos front runners” da mobilidade elétrica, lembrando que já é possível ir de Valença a Vila Real de Santo António de automóvel elétrico. O Ministro agradeceu à Nissan o seu pioneirismo na produção em massa de automóveis elétricos e sublinhou a importância que a mobilidade desempenha nas questões ambientais das cidades.

Por sua vez, Antonio Melica, Diretor-geral da Nissan em Portugal, salientou que a visão da Nissan para “criar um futuro mais sustentável para todos já é uma realidade, uma realidade na qual os automóveis são livres de emissões e que são parceiros dos ocupantes, uma realidade na qual os automóveis têm um papel ativo na gestão da energia das nossas casas, das nossas cidades, do nosso mundo”.

O evento trouxe a Portugal Ponz Pandikuthira, Vice-presidente da Nissan Europa para a Estratégia e Planeamento de Produtos, que destacou, no âmbito do Ecossistema Elétrico da Nissan, que o objetivo da nova geração de consumidores passa por ter “mobilidade sem restrições, nomeadamente na cidade, o que pressupõe novos tipos de veículos, mais inteligentes, não poluentes e partilhados”.

Ao longo do dia, vários especialistas debateram os desafios, tendências e oportunidades para Portugal, relacionados com o desenvolvimento do denominado Ecossistema Elétrico da Nissan e as implicações em termos ambientais.

No âmbito do primeiro painel dedicado aos temas da Mobilidade Inteligente e da Condução Inteligente, Raphael Meillat, Diretor de Marketing Intelligence da Nissan Europa, sublinhou que as marcas têm de se adaptar para irem ao encontro da expectativa dos consumidores. Ao abordar o tema da condução autónoma, sublinhou que as pessoas têm passado da incredulidade e ceticismo para a aceitação, mostrando uma rápida capacidade de adaptação e entusiasmo com esta nova solução de mobilidade, que reconhecem como mais segura e representando uma mais-valia enquanto ajuda ao condutor.

No segundo painel, subordinado à temática da Energia Inteligente, o Secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Gomes Mendes, salientou que “sem mobilidade é muito difícil criar valor para a economia. No entanto, o sistema de mobilidade gera externalidades negativas”. Segundo o Secretário de Estado, o objetivo de Portugal é o de reduzir até 2030 os gases com efeito de estufa em 26% face aos dados de 2005 e que, para alcançar estes objetivos, será fundamental a aposta no transporte público e na eletrificação da mobilidade. Salientou ainda que o Governo português está aberto a outras soluções que contribuam para a melhoria da mobilidade.

Questionado pela audiência quanto ao adiamento da data de arranque do mercado da mobilidade elétrica, o Secretário de Estado Adjunto e do Ambiente reconheceu que o processo tem sido complexo. Alexandre Videira, presidente da MOBI.E anunciou, porém, que o início do pagamento nos postos de carregamento rápido de veículos elétricos deverá acontecer até ao fim do primeiro semestre de 2018.

A “Integração Inteligente”, outro dos temas em debate, foi considerada por Nicolas Joubaud, Diretor de Soluções de Armazenamento de Energia da Nissan Europa, como sendo fundamental para alcançar os objetivos do Acordo de Paris relativamente à redução de gases com efeito de estufa.

Durante o Fórum, a Nissan anunciou ainda o programa LEAF4Trees, que pressupõe a plantação de árvores no Centro de Portugal, em função dos quilómetros percorridos – e respetivas emissões poluentes evitadas – pelos proprietários nacionais dos automóveis elétricos Nissan LEAF e e-NV200, entre abril de 2017 e junho de 2018. A iniciativa resulta do desafio lançado pelo Turismo Centro de Portugal à Nissan, a que se juntarão outras entidades de relevo nacional.

A 2ª edição do Fórum Nissan para a Mobilidade Inteligente contou ainda com a participação de Rui Costa, CTO da Veniam, Filipe Araújo, Vice-Presidente da Câmara Municipal do Porto, Paulo Ribeiro, Vice-Diretor do Centro de Território, Ambiente e Construção da Universidade do Minho, Pedro Machado, Presidente do Turismo do Centro de Portugal, João Paulo Calau, da Direção de Indústria e Mobilidade da Adene, João Paulo Pinto, Administrador Executivo da Efacec e Brice Fabry, Diretor de Estratégia e Ecossistema de Zero Emissões da Nissan Europa.

Anterior Porsche Ibérica elege as melhores startups
Próximo Equipas vencedoras escolhem o Honda Civic TCR para o Campeonato FIA WTCR

Artigos relacionados

“Paris? Não, obrigado!” As marcas que vão faltar no Salão de Paris

Aquele que é considerado um dos maiores e mais importantes salões automóveis da atualidade não vai contar com as presenças de algumas marcas.






SEAT Leon Cupra recebe ligeiro acréscimo de potência

Disposta a não perder a sua posição na competitiva batalha dos compactos desportivos, conhecidos como ‘hot hatches’, a SEAT procedeu a uma ligeira atuailização das características técnicas do Leon Cupra,

Audi reforça credenciais do SQ5 TDI com versão Plus

O Audi SQ5 TDI recebeu também o ‘tratamento’ Plus que lhe concede um cunho dinâmico mais intenso, contando com potência incrementada e mais equipamento do que a versão base. A