• Ferrari e Aston Martin multadas por excesso de emissões
  • Ferrari e Aston Martin multadas por excesso de emissões
  • Ferrari e Aston Martin multadas por excesso de emissões
  • Ferrari e Aston Martin multadas por excesso de emissões
  • Ferrari e Aston Martin multadas por excesso de emissões
  • Ferrari e Aston Martin multadas por excesso de emissões
  • Ferrari e Aston Martin multadas por excesso de emissões
  • Ferrari e Aston Martin multadas por excesso de emissões
  • Ferrari e Aston Martin multadas por excesso de emissões
  • Ferrari e Aston Martin multadas por excesso de emissões
  • Ferrari e Aston Martin multadas por excesso de emissões
  • Ferrari e Aston Martin multadas por excesso de emissões
  • Ferrari e Aston Martin multadas por excesso de emissões

Ferrari e Aston Martin multadas por excesso de emissões

O mais recente relatório da Agência Europeia do Ambiente revelou que Aston Martin e Ferrari estão em risco de serem multadas pela falha no cumprimento das metas de emissões poluentes estabelecidas pela União Europeia para o ano de 2015. Mas, outras companhias são também aconselhadas a melhorarem as suas prestações ao nível das emissões de CO2.

As duas marcas de desportivos contam com um volume de produção muito baixo, sendo que no cômputo das suas gamas, ambas emitiram mais CO2 do que o permitido pela União Europeia em 2015. Segundo a Automotive News Europe, a Ferrari será multada em 410.760 euros, ao passo que a Aston Martin terá de pagar mais ‘irrelevantes’ (atendendo ao potencial lucrativo destas duas marcas) 36.370 euros.

Ainda que tenha destacado o esforço dos construtores na redução das emissões poluentes, apontando até um valor oito por cento inferior ao que estava previsto para 2015 (com 119.5 g/km de CO2 emitido, em média), a agência europeia indica, contudo, que algumas marcas necessitam de melhorar a sua performance ambiental de maneira a conseguirem cumprir as metas estabelecidas para o biénio 2020/21: BMW, Fiat Chrysler Automobiles, Ford e Opel.

No espectro oposto encontram-se Peugeot e Citroën, ambas do Grupo PSA, a também francesa Renault e a Toyota, que merecem nota positive no seu esforço de redução das emissões, aproximando-se já das metas previstas para 2021.

Anterior Cem Chrysler Pacifica autónomos em testes pelas mãos da Google e FCA
Próximo Ford celebra produção do GT

Artigos relacionados

Peugeot não está interessada na ‘guerra’ dos tempos em Nürburgring

A ‘guerra’ dos tempos por volta no circuito de Nürburgring tornou-se quase normal entre diversas marcas que procuram demonstrar a rapidez dos seus desportivos naquele que é conhecido como o

Toyota e PSA revelam novos comerciais desenvolvidos em conjunto

A PSA Peugeot Citroën e a Toyota Motor Europe (TME) revelaram hoje os frutos da sua parceria para o mercado dos veículos comerciais: eis, assim, os novos Citroën Spacetourer, Peugeot

MG E-Motion: O regresso à boa forma

A MG parece tentada a alargar a sua gama de modelos depois de ter sido adquirida há alguns anos pela chinesa SAIC Motor.