Ensaio Volkswagen Golf 1.6 TDI: Ópio do povo

Ensaio Volkswagen Golf 1.6 TDI: Ópio do povo

Este Golf Variant concentra desde logo três atributos apelativos para o mercado português: trata-se de uma carrinha, tem motor Diesel de última geração e é simplesmente… um Golf!

Apesar de já ser um quarentão, o Golf continua a ser objeto de cobiça. Já na sétima geração – agora renovada em termos estéticos e tecnológicos – o seu segredo está na homogeneidade que continua a exibir entre dinâmica, espaço, conforto, fiabilidade e equipamento, sem esquecer a imagem. É que ter um Golf diz algo sobre o seu proprietário: que gosta de valores seguros. E se os automóveis germânicos são aqueles que detêm melhor imagem há várias décadas, então o Golf está no topo dessa lista.

Ambiente sólido

Entrar no habitáculo de um Golf continua a ser uma experiência reconfortante. A solidez dos painéis e bancos, 0 ambiente clean e a estética sóbria (sem ser aborrecida) são fatores que contribuem para essa envolvência, ao que se junta agora uma consola central em preto brilhante que acrescenta um toque hi-tech, um dos pontos mais diferenciadores neste restyling. O sistema de áudio e navegação Discover Media é de série nesta versão Confortline, oferecendo um ecrã de 8 polegadas com um conjunto de funções avançadas, leitor de CD e portas AUX-IN e USB.

Graças ao software MirrorLink e ao opcional App Connect (185 €), que integra Google Android Auto e Apple CarPlay, é possível navegar pelos menus como faríamos no nosso próprio smartphone.

O enriquecimento geral do equipamento foi um dos aspetos mais marcantes desta atualização do Golf, além do referido sistema de infotainment. No âmbito da segurança, 0 Cruise Control Adaptativo que inclui Front Assist, com assistente de travagem de emergência em cidade e sistema de deteção de peões é de série nesta versão -, assim como os faróis de nevoeiro com luz de curva e o dispositivo de parqueamento Park Pilot. Já os faróis dianteiros em LED são extra (779 €), assim como a câmara de estacionamento e os vidros traseiros escurecidos (284€), valores que não consideramos exagerados.

TDI: Outro valor seguro

A partir desta renovação, o Golf passa a contar com o 1.6 TDI de 115 CV, mais cinco do que anteriormente. Se notámos grande diferença? Nem por isso. Mas continua a ser um dos mais equilibrados motores da sua classe, com um desempenho agradável e consumos controlados. A resposta é firme, sobretudo quando solicitado em carga total, com a força a surgir logo a baixo regime – ao contrário do que acontecia com as primeiras encarnações do 1.6 TDI -, o que facilita a exploração das suas capacidades em condução citadina.

O binário máximo de 250 Nm, entre as 1.500 e as 3.200 rpm, permite prestações adequadas para um modelo familiar (sem serem propriamente desportivas), principalmente se considerarmos que quem procura o Golf Variant tem em mente a utilização plena do espaço que proporciona – 605 litros de bagageira, 1.620 litros com os bancos traseiros rebatidos – e o peso extra que isso pode representar.

O casamento com a caixa automática de dupla embraiagem DSG de 7 velocidades torna a condução ainda mais cómoda, sobretudo para quem tem uma postura descontraída, pois é decidida mas suave, parecendo escolher sempre a relação certa para cada momento.

Com isso ganha-se também nas médias de consumo, complementado pelas constantes dicas que surgem no painel de instrumentos para tornar a condução ainda mais eficiente, como fechar os vidros ou deixar o seletor em Drive em vez de Sport. Neste particular, quem procura explorar a fundo as capacidades dos 115 CV por norma opta pelo modo manual/sequencial. Os ganhos obtidos são marginais, mas sentimos maior controlo, nomeadamente nas reduções, e, desde que as aspirações não sejam demasiado desportivas, este binómio 1.6 TDl/ DSG satisfaz.

Os consumos estão igualmente entre os melhores atributos deste TDi. Ainda que os 4,0 l/100 km oficiais sejam algo otimistas, numa utilização real, variada no ritmo e no tipo de percurso, com mais ou menos passageiros a bordo, é expectável obter médias abaixo dos 6,5 litros.

Dinâmico, como sempre

O chassis foi uma área em que os técnicos da VW pouco alteraram. Parece que imperou o princípio de ‘em equipa que ganha não se mexe’, pois o Golf já estava num patamar elevado de eficácia dinâmica. Consegue conciliar conforto com um toque desportivo, graças a uma afinação de suspensão mais firme. Esta maior consistência em apoio, combinada com uma direção cremosa e de bom tato, proporciona um feeling mais preciso e maior prazer de condução, nomeadamente em percursos sinuosos.

Com um sistema de travagem que acompanha as capacidades do chassis, o Golf Variant incute confiança, acima de tudo pela estabilidade e previsibilidade de reações, mesmo quando tem lotação esgotada e a bagageira recheada.

Conclusão

O Golf Variant continua cativante na dinâmica e no conforto, mesmo nesta versão 1.6 TDI de 115 CV. A renovação estética e tecnológica apenas vem reforçar argumentos. O preço está na média do segmento, mas segura melhor o seu valor no mercado.

Texto: Bernardo Gonzalez

Fotos: Paulo Calisto

FICHA TÉCNICA

TIPO DE MOTOR Diesel, 4 cilindros em linha, turbo
CILINDRADA 1.598 cm3
POTÊNCIA 115 CV entre as 3.250 e as 4.000 rpm
BINÁRIO 250 Nm entre as 1.500 e as 3.200 rpm
V. MAXIMA 200 km/h
ACELERAÇÃO 10,7 s (0-100 km/h)
CONSUMO 4,0 l/100 km (misto)
EMISSÕES CO2 103 g/km
DIMENSÓES (CLA) 4.586/1.799/1.515
PNEUS 205/55 R16
PESO 1.395 kg
BAGAGEIRA 605 l
PREÇO 32.150€
LANÇAMENTO Abril 2017

Anterior Grupo PSA já vende carros online em França
Próximo Novo Volvo XC40 será mais irreverente e personalizável

Artigos relacionados

A homenagem de Hamilton a Ayrton Senna

Adepto confesso do malogrado piloto brasileiro Ayrton Senna, com quem partilha agora o patamar dos tricampeões de Fórmula 1, Lewis Hamilton tem em Interlagos, palco do Grande Prémio do Brasil,

Porsche 911 GT3 RS

Novo motor atmosférico de 500 CV. Chega em maio por 229.654 euros     A marca alemã prepara-se para reforçar a gama 911 com o GT3 RS. Equipado com novo

Samsung entra na ‘corrida’ aos veículos autónomos

Na corrida ao desenvolvimento da tecnologia para os veículos autónomos, existe um novo concorrente de renome.