Audi trabalha na produção de combustíveis alternativos

A Audi está convencida do potencial de combustíveis como o e-gas, a e-gasolina e o e-Diesel, ou seja, a marca alemã reforça a aposta nas estratégia de e-combustíveis.

No caso da gasolina sintética e-gasolina, a marca atingiu um objetivo intermédio muito importante. Em conjunto com os seus parceiros de desenvolvimento, produziram pela primeira vez uma quantidade suficiente de combustível regenerativo para começarem os testes do produto.

Em conjunto com a Global Bioenergies SA, a maior quantidade de e-gasolina alguma vez produzida, cerca de 60 litros, foi alcançada. Este novo combustível traz inúmeras vantagens.

Não está dependente do petróleo, é compatível com a estrutura e rede já existentes e oferece a perspetiva de se avançar para um ciclo de carvão fechado.

A e-gasolina da Audi é essencialmente um líquido iso octânico e é produzido de biomassa num processo com dois passos: no primeiro passo, a Global Bioenergies produz isobutano gasoso (C4H8) num fábrica de demonstração.

No segundo passo, o Centro de Processos Biotecnológicos utiliza hidrogénio como complemento para transformar o resultado em iso octanas (C8H18). O combustível está livre de benzina e de enxofre e não emite muitos poluentes quando está a ser queimado.

Combustíveis alternativos Audi

Anterior Mercedes híbridos plug in com motor a gasóleo chegam no verão
Próximo Venom F5 poderá utilizar sistema quad-turbo para chegar aos 1600 cv

Artigos relacionados

Hyundai i30 N com motor de 275 CV para fazer sorrir

A Hyundai revelou o seu novo i30 N, o primeiro dos desportivos desta subgama dedicada, que introduz a marca no competitivo segmento dos compactos de alta performance.

Kia Optima GT será revelado em Frankfurt

A Kia prepara-se para introduzir uma nova variante GT na gama do Optima, estando a apresentação da mesma agendada para o Salão de Frankfurt. As primeiras imagens deste modelo surgiram

Já ouviu o motor V8 do novo Ferrari 488 GTB

Os puristas temeram o final da tradicional sonoridade rouca dos motores da Ferrari quando a marca anunciou a passagem dos blocos atmosféricos para unidades sobrealimentadas. Contudo, com o lançamento do