A antropologia como ajuda para evoluir a condução autónoma da Nissan

A antropologia como ajuda para evoluir a condução autónoma da Nissan

Embora não o pareça, qualquer equipa de desenvolvimento de tecnologia carece de diferentes talentos oriundos de diversas áreas. Para projetar o veículo autónomo do futuro, a Nissan procurou reunir os melhores talentos técnicos, entre engenheiros mecânicos e de software, peritos em inteligência artificial e tecnologia de sensores, cientistas informáticos, especialistas em produção, entre tantos outros.

Mas um profissional à partida improvável na mesa de projetos é o antropologista. A sua presença é explicada pela própria companhia: ainda que o veículo autónomo seja ‘livre’ da ação humana, continua a ser necessário analisar as interações da condução humana para garantir que esse veículo estará preparado para ser um “bom cidadão” na estrada.

“A tecnologia automóvel continua a evoluir e a mudar”, declarou Melissa Cefkin, cientista principal e antropologista do Centro de Investigação da Nissan em Silicon Valley. “E agora, estamos a acrescentar esta dimensão autónoma… que irá resultar em mais mudanças para a sociedade, incluindo a forma como interagimos e nos comportamos diariamente na estrada”.

Embora o termo “antropologista” possa evocar nomes como Claude Levi-Strauss, Margaret Mead e Gregory Bateson, Cefkin representa um ramo indubitavelmente moderno nesta área de conhecimento. É uma antropologista empresarial e de design, especializada em etnografia, que consiste no estudo sistemático de povos e culturas a partir do ponto de vista do sujeito.

No caso dos veículos autónomos, Cefkin explica que isso significa adotar uma nova visão sobre a forma como os humanos interagem com “um objeto imensamente e profundamente cultural” —  o automóvel  — e adquirir outras perspetivas sobre como as novas tecnologias podem interpretar, ou atuar sobre, esses comportamentos. Cefkin e os outros membros da equipa estão concentrados no terceiro pilar do programa ProPILOT de veículos autónomos da Nissan: desenvolvimento da capacidade do veículo circular pela cidade e pelos cruzamentos sem a intervenção do condutor.condução autónomaA introdução desse sistema está prevista para 2020, no seguimento do recente lançamento, em julho de 2016, das primeiras tecnologias de condução autónoma Nissan ProPILOT. Esta primeira fase engloba a tecnologia de condução autónoma concebida para utilização em autoestrada com trânsito em faixa única; uma aplicação para “faixas múltiplas” que pode lidar com os perigos de forma autónoma e mudar de faixas durante a condução em autoestrada, tem previsão de introdução em série nos veículos Nissan em 2018.

Aprendizagem contínua

Quando Melissa se juntou à Nissan em 2015, após ter desempenhado diversos cargos na IBM, na Sapient Corp. e no influente Instituto de Investigação para a Aprendizagem de Silicon Valley, ela e a sua equipa começaram a documentar, não apenas as interações na cidade envolvendo os condutores, mas também as interações entre veículos e peões e ciclistas, bem como outras características da estrada.

Cefkin citou os cruzamentos de quatro vias com sinais Stop como uma situação “problemática e extremamente interessante” que a sua equipa examinou de perto. “O que acontece num cruzamento com quatro vias dá azo a várias interpretações”, explicou. “Sim, é suposto parar, mas depois de parar nada me diz quando devo avançar novamente e cabe-me a mim decidir”.

As conclusões iniciais retiradas do estudo indicam que os condutores, peões e ciclistas utilizam frequentemente o “contacto visual” e formas de “comunicação direta”, como o aceno de mão, “para transmitir sinais muito claros quanto às suas intenções” em tais situações, disse Melissa.

Esta informação permitiu já desenvolver soluções sobre como um veículo autónomo poderá comunicar o seu próximo movimento, sendo que uma dessas visões foi apresentada no Nissan IDS Concept. Cefkin referiu que algumas funcionalidades representadas no vídeo do Nissan IDS poderão acabar por ser bastante semelhantes às dos veículos autónomos da Nissan na próxima década ,  como uma luz que “reconhece” a presença de um peão.

A equipa está também a explorar como comunicar a intenção do automóvel nas situações em que estão presentes “vários agentes”, como vários peões ou ciclistas. A chave está em como comunicar a esses agentes aquilo que o veículo vai fazer, como “parar, esperar, dar passagem, prestes a arrancar, avançar, etc.”, de uma forma que seja interpretada da mesma maneira por todos eles, em todas as partes do mundo.

Anterior Lamborghini revela novo Centenario Roadster
Próximo SEAT Ateca em demonstrações radicais nas Festas de Cascais

Artigos relacionados

Toyota S-FR Racing: Agora também em versão de competição

O pequeno desportivo que a Toyota está a preparar para lançar no mercado num futuro não muito longínquo, o S-FR Concept, conta com uma versão especial de competição, em formato

Lamborghini Hurácan Spyder revelado em Frankfurt

A Lamborghini apresentou em Frankfurt a versão descapotável do Hurácan LP 610-4, prometendo emoções fortes recorrendo ao motor V10 de 5.2 litros com 610 cv de potência. Grande novidade para

TomTom apresenta novo projeto de condução autónoma

A TomTom (TOM2) anunciou o desenvolvimento de tecnologia de trânsito ultra rápida para condução autónoma e mobilidade mais inteligente, dando origem a um novo projeto feito em conjunto com a Cisco.






0 Comentários

Ainda sem comentários!

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Deixe um comentário